Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Se os nossos corpos pudessem falar...

IMG_20190225_115020.jpg

 

... provavelmente diriam o quão loucos somos ou quanta sorte temos. Certamente seria muito mais fácil para se fazer diagnósticos e tratamentos e sabe-se lá mais o quê. 

 

Na verdade, "Se os nossos corpos falassem" (If our bodies could talk) é uma tradução literal de um livro que ando há já algum tempo para partilhar aqui no blog. Li-o nas férias de Natal e sem sombra de dúvida que, para quem não se importa de ler em inglês, é um livro a considerar. Está escrito de uma clara, simples e divertida o que o torna de fácil compreensão. Mesmo em inglês. 

 

James Hamblin, é médico e dedica-se a comunicação, sobretudo desmistificar e pôr por miúdos o que se passa no mundo da medicina. Este livro divide-se em partes seguindo o moto "manter o corpo a funcionar": desde as partes superficiais a comer, beber, sexo, e até morrer. Alguns exemplos das questões que James se propõe responder: 

 

- Posso reforçar o meu sistema imunitário?

- Como funcionam as vacinas? 

- Coloncospia: é isto o melhor que conseguimos fazer?

- Porque que é que as pessoas são intolerantes à lactose?

- Porque é que não há uma cura para uma constipação?

- O que acontece ao meu corpo quando morro?

 

O livro está à venda em Portugal na Bertrand e na Wook, infelizmente, apenas em inglês e em espanhol. Espero que uma tradução para português aconteça rapidamente, porque é um livro que de facto vale a pena ler. Sobretudo numa época, em que tanta gente se licencia na Universidade Google e se acha o a última bolacha do pacote para prescrever tratamentos. Sem sombra de dúvida que um paciente informado, ajuda a si próprio e ao médico que o segue, mas é preciso ter cuidado com as fontes onde se obtém informação. E este livro, é um bom começo para separar trigo do jóio!