Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

29 de Outubro, 2018

Este post é para quem sofre com problemas capilares: há esperança!!!!

Vera Gomes

ff7d5a583044d306253902704b1e7229.jpg

 

 

Desde sempre que tive um cabelo de leão. Uma juba de meter inveja a qualquer leão na savana Africana e que tenho a certeza que me garantiria segurança contra qualquer ataque selvagem. Era um cabelo dificil de domar, tinha que usar sempre comprido, cheguei a dormir de meias na cabeça para o conseguir de certa forma controlar.  A foto abaixo de 2012, mostra bem a minha juba domada mas aind assim imponente. Só para vocês começarem a notar o antes, o durante e o depois ;)

 

 

522268_554765231217203_1857129057_n.jpg

 

 

Na minha última crise passei a conhecer uma faceta capilar que desconhecia: a queda de cabelo acentuada, o cabelo fraco, e uma juba que nem a um rato metia medo. Bastava-me estar parada uns minutos para se notar a minha presença: um tapete de cabelo no chão. Cada vez que passava a mão no cabelo, ficava com a mão cheia de cabelo. Comecei a ficar com peladelas aqui, peladelas acolá. Confesso: não foi nada nada fácil. A foto abaixo é de Julho de 2016, no auge da minha última crise. 

 

July 2016.jpg

 

 

Vai daí e virei o bico ao prego e vi uma oportunidade: usar cabelo curto sem problemas de cabelo todo espetado no ar! E assim fiz: cortei o cabelo curto. Falei com o meu médico sobre o assunto. Prescreveu-me um suplementos para suprir as carências nutricionais que tinha. Conforme a doença começava a ficar sob controlo, também o cabelo deixava de cair. Mesmo com as quantidade absurdas que tomava de medicação na altura. 

 

Passado dois anos após o meu internamento (e a fase pior de queda cabelo), posso dizer que usar cabelo curto deixou de ser opção. A minha juba, a pouco e pouco, começa a voltar. Deixar o cabelo solto depois de o secar ao natural não é opção! Noto-o mais seco, mas com umas boas sessões de hidratação percebi que a coisa melhorava. 

 

Agora nos dias em que correm tive que andar a investigar hipoteses para manter o cabelo hidratado e para o domar. Com alguns conselhos de quem sabe, mudei de champô e amaciador para um que tenha óleo de argan. E para o domar, descobri uma linha do botário (com argan, pois bem) que deixa o cabelo tipo seda e muito mais fácil de o domar! A minha dealer para esta maravilha, a Sofia, envia-me pelo correio e confesso que já tenho stock até o final do ano. Certo é que desde que a primeira vez que usei o Nativa Spa do Boticário, a coisa que mais ouvi foi: "ai que o teu cabelo está tão bonito", "ai que o teu cabelo cresceu tanto", "ai que o teu cabelo está tão forte". Yeah: e isto depois de o domar! Topem lá a diferença (e sobretudo nas minhas habilidades capilares!):

 

 

 

Demorou tempo (mais de 2 anos), sempre demasiado para a nossa capacidade de aceitar que o tempo põe tudo no seu lugar, mas o certo é que a remissão, a minha juba voltou! Agora é deixar crescer e começar a dominar técnicas para fazer ondas e cenas! Por isso se souberem de algumas coisas para fazer com cabelos de leão (fáceis! que eu sou uma nulidade nestas coisas), partilhem!!!!

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.