Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

02 de Setembro, 2019

Como aceitar uma doença para a vida?

Vera Gomes

69683174_2215672311990989_2772057281083211776_n.jp

É algo que me perguntam com frequência. É algo que pergunto a mim mesma todos os dias. Sinceramente… não sei. Temos mesmo que aceitar? E o que significa aceitar?

 

 

Para mim, não aceito. Não tenho que aceitar. Nem quero aceitar. Adapto-me, sim. Mas não aceito que aos 27 anos, no auge da juventude e já com uma carreira profissional promissora, tenha recebido a notícia que tenho uma doença para a vida. Não aceito que o meu corpo passe por tantas transformações num curto espaço de tempo, nem aceito as implicações que tem na minha vida e na vida dos que me rodeiam.

 

Adapto-me. Isso sim. Crio estratégias e estratagemas para ir remando o barco sem saber se o porto à vista será bom porto. Mas não me peçam mais do que isso porque sinceramente, não sou obrigada. São as vossas expectativas, não as minhas.

 

E como aceitar? “Devo dizer: obrigada! Era mesmo isto que tinha pedido ao Pai Natal!”; ou “ Estou tão feliz que agora tenho uma doença para a vida! #Gratidão #Namastê”. Porque não dizer: “Fod@-se! Put@ que pariu a minha sorte!” e depois apanhar os cacos, arregaçar as mangas e controlar aquilo que eu posso para ter uma vida o mais normal possível. Será que temos mesmo que ser todos patetas alegres com as tragédias da vida? Será mesmo que temos que ser sempre positivos e cheios de força e energia e lutadores até ao fim das nossas vidas?

 

Sinceramente: não! Ninguém é de ferro para o resto da vida. Há dias que nos vamos abaixo das canetas e que choramos e praguejamos. E muito honestamente, pelo menos comigo é assim, dispenso que me venham com falinhas mansas do tipo: “é só uma fase”; “tens que ser forte”; “tens que pensar positivo”. Confesso que nesses momentos, aquele sorriso amarelo que mostro esconde um grito interior de frustração e raiva. A vida de pantanas e parece que ter um dia na mó de baixo, esgotada e sem forças, é um luxo asiático que não posso ter.

 

Portanto, aos iluminados da praça, expliquem-me porque raio tenho eu que aceitar uma doença para o resto da vida? Porque eu tenho uma há quase 12 anos e confesso, ainda não aceitei.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.