Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

06 de Dezembro, 2017

Chron e Colite: que estilo de vida e que remédios caseiros ter em consideração?

Vera Gomes

depositphotos_123017312-stock-illustration-vintage

 

É normal que por vezes nos sintamos desamparados quando se enfrenta a doença inflamatória do intestino. Mas as mudanças na dieta e estilo de vida podem ajudar a controlar os sintomas e prolongar o tempo entre as crises.

 

1) Dieta

Não há nenhuma evidência firme de que o que comemos realmente causa doença inflamatória do intestino. Mas certos alimentos e bebidas podem agravar seus sinais e sintomas, especialmente durante uma crise. 

Pode ser útil manter um diário de alimentos para acompanhar o que  se come (já falei disto aqui), bem como o que você sente. Se descobre que alguns alimentos estão causando um agravamento dos sintomas, tenta-se eliminar esses alimentos. Aqui estão algumas sugestões que podem ajudar:

Limite os produtos lácteos. Muitas pessoas com doença inflamatória do intestino acham que problemas como diarreia, dor abdominal e gás melhoram limitando ou eliminando

produtos lácteos. tal como referi aqui, muitos portadores de DII são intolerantes à lactose.

Experimente alimentos com baixo teor de gordura. Se tem doença de Crohn no intestino delgado, talvez não consiga digerir ou absorver gordura normalmente. Em vez disso, a gordura passa através do intestino, tornando a diarreia pior. Tente evitar manteiga, margarina, molhos cremosos e alimentos fritos.

Tenha cuidado com a fibra. Se você tem doença intestinal inflamatória, alimentos ricos em fibras, como frutas e vegetais frescos e grãos inteiros, podem piorar seus sintomas. Se as frutas e vegetais crus incomodarem, tente cozinhá-los.

Evite outros alimentos problemáticos. Alimentos picantes, álcool e cafeína podem agravar os sintomas.

 

2) Outras medidas dietéticas

Coma pequenas refeições. Podem sentir-se melhor comendo cinco ou seis pequenas refeições por dia em vez de duas ou três maiores.

Beba muitos líquidos. Tente beber bastante líquido diariamente. A água é melhor. Álcool e bebidas que contêm cafeína estimulam seus intestinos e podem piorar a diarréia, enquanto que as bebidas carbonatadas freqüentemente produzem gás.

Considere as multivitaminas. Como a doença de Crohn pode interferir na sua capacidade de absorver nutrientes e porque a sua dieta pode ser limitada, os suplementos multivitamínicos e minerais são frequentemente úteis. Verifique com o seu médico antes de tomar quaisquer vitaminas ou suplementos.

Fale com um nutricionista. Se começar a perder peso ou sua dieta se tornou muito limitada, fale com um nutricionista credenciado e especialista em DII.

 

3) Fumar

Fumar aumenta o risco de desenvolver a doença de Crohn, e quando se a tem, o tabagismo pode piorar. As pessoas com doença de Crohn que fumam são mais propensas a recorrer e precisar de medicamentos e que repitam cirurgias.

O tabagismo pode ajudar a prevenir a colite ulcerativa. No entanto, o seu dano à saúde geral supera qualquer benefício, e deixar de fumar pode melhorar a saúde geral do seu aparelho digestivo, além de fornecer muitos outros benefícios para a saúde. Os adesivos de nicotina foram usados ​​para tratar a colite ulcerativa, mas os resultados foram decepcionantes.

 

4) Stress

Se têm problemas para gerir o stress, experimentem uma das estratégias seguintes:

Exercício. Mesmo um exercício suave pode ajudar a reduzir o stress, aliviar a depressão e normalizar a função intestinal. Fale com o seu médico sobre um plano de exercicios que é certo para você.
Exercícios regulares de relaxamento e respiração. Uma maneira de lidar com o stress é relaxar regularmente e usar técnicas como a respiração profunda e lenta para se acalmar. Podem tentar fazer aula de ioga e meditação (podem encontrar aqui umas apps à borla) ou usar livros, CDs ou DVDs em casa.

 

5) Terapias alternativas

Muitas pessoas com distúrbios digestivos usaram alguma forma de medicina complementar e alternativa (CAM) (eu numa fase de despero também o fiz... infelizmente...). No entanto, existem poucos estudos bem concebidos sobre a sua segurança e eficácia.

Algumas terapias comumente usadas incluem:

Probióticos. Os investigadores suspeitam que a adição de mais bactérias benéficas (probióticos) que normalmente são encontradas no trato digestivo pode ajudar a combater DII. Embora a pesquisa seja limitada, há algumas evidências de que a adição de probióticos juntamente com outros medicamentos pode ser útil, mas isso não foi provado.
Óleo de peixe. O óleo de peixe atua como um antiinflamatório, e há uma sugestão de que poderia aliviar a inflamação intestinal relacionada com DII, mas isso não foi provado.
Aloé Vera. O gel de aloé vera pode ter um efeito anti-inflamatório para pessoas com colite ulcerativa, mas também pode causar diarreia.
Curcuma. A curcuma foi combinada com terapias de colite ulcerativa padrão em ensaios clínicos. Há alguma evidência de benefício, mas é necessária mais pesquisa.
Acupuntura. quanto tenho conhecimento, apenas um ensaio clínico foi realizado em relação ao seu benefício. O procedimento envolve a inserção de agulhas finas na pele, o que pode estimular a liberação de analgésicos naturais do corpo. Podem ler mais sobre a eficácia em geral da Acunpunctura aqui.
Prebióticos. Ao contrário dos probióticos - que são bactérias vivas benéficas que você consome - os prebióticos são compostos naturais encontrados em plantas, como alcachofras, que ajudam a alimentar bactérias intestinais benéficas. Estudos não mostraram resultados positivos de prebióticos para pessoas com doença de Crohn.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.