Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha primeira vez

28059374_2360434697315931_4057089576475745154_n.jp

 

Corria o ano de 2008 e num dia primaveril a anunciar Verão, estava eu vestida com umas calças de ganga clara, tinha acabado de deixar a Helena em casa na Estrada de Benfica. Assim que entrei no Eixo-Norte Sul senti aquele aperto que anuncia descarga iminente. Como qualquer comum dos mortais, contraí o esfincter, mas de imediato percebi que não se tratava de um aperto qualquer. Aquele singelo aperto anunciava algo dantesco. Era como um "bate leve levemente" mas com um vozeirão tipo Gisela João: pequeno mas poderoso. 

 

Não fui de meias medidas: contraí o nalguedo e meti o pé no acelerador. Nos escassos quilometros que iam do eixo Norte Sul a Alcantâra a minha mente focava-se em dois aspectos muitos importantes, a saber:

 

  1. os estofos do carro são em pele cinza... clarinhos! Como se limpam se a barragem abre a comporta?
  2. se a polícia me apanha, não há hipotese. Espero que ao verem o dilúvido consigam perceber e nao me passem a multa. 

 

Boas noticias: consegui chegar a casa e estacionar o carro no alto das Escadinhas do Quebra Costas (sim, existem mesmo) com os estofos em pele cinza clarinho impecavelmente limpos. Calças de gaga claras, igualmente impecáveis! Suspirei numa mistura de alívio e orgulho no nalguedo que de tanto ir ao ginásio estava ali rijo para mostrar de que era feito!

 

Não desci as escadas: galguei-as! Tal e qual um atleto de triplo salto até chegar à porta de casa. Chave em punho que numa pontaria certeira entrou na fechadura à primeira. Nenhum sniper conseguiria ter um tiro tao certeiro se tivesse a pressão no esfincter que eu tinha!

 

Rodei a chave com um sorriso de glória: em casa, estofos impecáveis, sem multa, calças limpas e eis que..... eis que todo aquele esforço escorreu pelas pernas abaixo. Nem tive tempo de terminar de rodar a chave. Aquele esforço final, aparentemente insignificante de rodar a chave, foi literalmente  a morte da artista. A comporta abriu e a torrente contida até então fez jus ao anúncio dantesco que tinha feito minutos antes. 

 

Ainda se lembram da vossa primeira vez?

 

 

3 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Onde compro livros

Blogs de Portugal

Bloglovin