Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

18 de Janeiro, 2018

A melhor ideia culinária que tive este ano: papas de aveia em frascos de vidro!

Vera Gomes

Chega a uma certa altura na manhã que não importa quão bem tenha comido ao pequeno almoço, fico com um rato no estômago. Uma espécie de buraco negro que me atormenta, tolda-me o cérebro e a produtividade laboral descresce a olhos vistos. Umas vezes trazia iogurtes (e até dava para pôr do lado de fora da janela considerando o frio que faz) mas no Verão sem frigorifico no gabinete a coisa torna-se mais delicada. Sandochas, bom, a minha relação com o pao está a entrar nos eixos, mas não quero abusar e andar a comer pão todos os dias. Bolachas caseiras, como a receita que partilhei aqui, são sempre uma opção, mas nem sempre há tempo (ou motivação) para passar uma hora na cozinha. Não, tinha que encontrar algo rápido, eficaz e apetitoso que aqui a je desde que tomou cortisona há uns anos, tornou-se num bom garfo. 

Bom no Domingo, recorri ao amigo Google. Introduzi as seguinte palavras: oats almond milk e chia. Basicamente era o que havia em casa e a malta tem que fazer as omoletes com os ovos que tem. Apareceram dezenas de resultados, mas meu caros, escolhi bem! Escolhi uma combinação vencedora!

 

IMG_20180115_084908.jpg

 

 

 

 
17 de Janeiro, 2018

Visto no Facebook e é tão real (infelizmente....)

Vera Gomes

 

26168935_1815916655368481_1964532756652834437_n.jp

 

Professor de Química em tempos de "comida cheia de químicos".
Professor de Biologia em tempos de "comida com genes".
Professor de Física em tempos de "Fukushima está a matar o Pacífico".
Professor de Direito em tempos de "Denúncias têm valor de prova" e "Presunção de inocência protege os criminosos".
Professor de Filosofia em tempos de "isso é cientismo!"
Professor de Medicina em tempos de "a medicina não procura a cura mas sim a dependência de tratamentos".
Professor de Nutricionismo em tempos de "tu és o que comes" e "comida detox".
Professor de Agronomia em tempos de "agricultura natural".
Professor de ........ em tempos de ........

 

Atrevo-me a juntar:

Médico em tempos de Google....

17 de Janeiro, 2018

O nosso corpo está cheio de dezenas de triliões de micróbios!

Vera Gomes

IMG_20171119_075823.jpg

 

Todo animal, seja humano, lula ou vespa, é o lar de milhões de bactérias e outros micróbios. Ed Yong, cujo humor é tão evidente como a sua erudição, leva-nos a olhar para nós mesmos e para nossos animais numa perspectiva diferente e nova: menos como indivíduos e mais como as multidões interconectadas e interdependentes que seguramente somos.

 

Os micróbios (que inclui as nossas amigas e inimigas bactérias e similares) no nosso corpo fazem parte do nosso sistema imunológico e tanto nos podem proteger da doença como a provocar. Nos oceanos profundos, criaturas misteriosas sem bocas ou tripas dependem de micróbios para toda a sua energia. As bactérias fornecem lulas com capas d

 

16 de Janeiro, 2018

Porquê negar a realidade?

Vera Gomes

 


Eu vi este anúncio a circular no Facebook em grupos relacionados com Doena Inflamatória do Intestino (nacionais e internacionais). As reacções foram quase unânimes: ânimos exaltados; que era uma vergonha; que era uma indecência; bla bla bla, retratarem pessoas dom DII assim.

 

Sinceramente, eu não vejo como um insulto. Mostra o que nós abdicamos por causa da doença. O slogan é a meu ver um é ambíguo. Para "there for them": quem é que está lá por quem? Nós os doentes pelos que nos rodeiam? Ou os que nos rodeiam por nós?

 

Na minha opiniao a afronta que muitos levaram é pela simples razão que custa muitissima não conseguir estar presente, ou nao estar a 100% presente, em momentos importantes. Ou até no dia a dia: num jantar de amigos, numa reuniao de escola dos putos, etc. Mas a verdade é: as imagens não mostram o que se passa na nossa realidade? Nós a fugir para o WC, nós a vermos os outros comer sem tocar na refeição porque não podemos?

 

A realidade consegue ser muito crua, mas o certo é que o vídeo mostra algo que nos damos muito ao trabalho a esconder. E se calhar está na hora de parar de esconder, e daqueles que nos rodeiam entendam uma vez por todas o quanto custa não estar lá, por eles, a 100%. É que nem sequer é por opção que não estamos lá. É porque não podemos! Portanto, porquê negar a realidade?

15 de Janeiro, 2018

Morreu Dolores O'Riordan

Vera Gomes

IMG_20170508_220444.jpg

8 de Maio de 2017. Bruxelas. A primeira (e última vez) que a verei ao vivo. E foi muito bom cantarolar os clássicos dos Cranberries que fizeram parte da minha adolescência.  2018 começa com um adeus mas há coisas que nunca se esquecem. 

 

Em Bruxelas, foi assim:

 

 

 

 

 

 

15 de Janeiro, 2018

Cidadania também é isto

Vera Gomes

Meus caros leitores, 

 

enquantos muitos escreviam resoluções de ano novo, eu escrevi email e textos para passar da mera teoria à acção. 

 

No passado Sábado, em conjunto com a Ângela (uma das companheiras de luta das DII), lançamos a recolha de assinaturas para entregar uma petição à Assembleia da República. 

 

Sim, não vivo em Portugal e sim é certo que por não viver em Portugal não irei usufruir do que a petição pretende implementar. Contudo, continuo a ser cidadã portuguesa, com os meus direitos e os meus deveres. E é meu dever lutar pelos meus congéneres e defender aquilo que poderá ser uma grande mudança no dia a dia de muitos dos 20 mil pacientes de Chron ou Colite Ulcerosa em Portugal. 

 

Por isso, é favor pegarem no vosso cartão de cidadão, e dirigirem-se a aqui, lerem a petição e assinarem a mesma. Depois, reencaminhem para os vossos contactos: partilhem, divulguem e juntos seremos mais fortes!

 

P.S.: Para que a assinatura seja considerada válida tem que ser indicado o nome COMPLETO e o número cartão cidadão ou Bilhete de Identidade.