Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

14 de Dezembro, 2016

Quem já leu Afonso Cruz?

Vera Gomes


Afonso



Este foi o meu primeiro livro de Afonso Cruz. Li-o numa penada e adorei!

Não é fácil um autor envolver-me de tal forma que só consigo parar de ler quando não há mais páginas. Afonso Cruz foi um desses. Os Livros Que Devoraram Meu Pai é um livro de encantar.

Afonso Cruz leva-nos numa viagem literária deliciosa e (re)conta-nos à sua maneira como é que um leitor vive um livro. Absolutamente delicioso!

Quem já leu este livro? Qual a tua opinião?



13 de Dezembro, 2016

#IBDVisible As merdas que me acontecem quando menos se espera

Vera Gomes

IBDVisible


Este ano e pela primeira vez desde que me diagnosticaram Colite Ulcerosa, comecei a tomar imunossupressores.

Até agora não notei nada de especial a não ser estar mais perto de remissão e ter que ter cuidados redobrados com aquilo a que o médico chama de "infecções oportunistas". O que é isto? Pelo que percebi coisas tipo constipações, pneumonias, gripes e afins. Por causa disto, devo lavar e desinfectar as mãos com regularidade e evitar sitios fechados. A alternativa é usar uma mascara tipo aquelas que os médicos usam. 

Até agora tudo tem corrido bem. A máscara tem-me permitido ter garantido lugar para me sentar cada vez que ando de transportes públicos. Por muito cheio que esteja o metro, tenho sempre meio metro de espaço livre em meu redor. As crianças adoroam-me e ficam fascinadas com a minha máscara. Consegue-se mesmo ver a cara cheia de pontos de interrogação sobre porque raio eu estou de máscara. Às vezes respondo-lhes. Outras vezes deixo-as viver na ignorância. 

Normalmente e porque com a máscara começo a ficar com calor e com humidade na dita, sempre que estou ao ar livre tiro. Hoje ia a entrar num centro comercial que tem acesso ao metro, e enquanto o segurança revistava os sacos, coloquei a máscara. Foi lindo! A atitude do segurança mudou e colocou a sua postura "eu tenho poder e vou tramar-te! Nem penses que vais rebentar chega o que for aqui dentro que eu não deixo!". Lá encheu o peito para parecer maior e começou a interrogar-me com ar feroz: "Estás a pôr isso na cara porquê?!! e não parava de repetir a pergunta numa esperança que eu me sentisse intimidada. Talvez que eu, no alto do meu 1,55cms, com ar de terrorista enterrado até aos ossos me fosse acagaçar de explodir qualquer coisa no centro comercial cheia de sacos de compras e uma mochila nas costas. 

Lá lhe expliquei em grosso modo o porquê de precisar de usar a máscara e foi vê-lo a desinchar tal e qual um balão.

Colite ulcerosa: a dar-me histórias esquisitas para contar desde 2007. 
13 de Dezembro, 2016

A fingir que isto é um blog de culinária #7

Vera Gomes



Esta beleza que vêem na foto, é nada mais nada menos, que o resultado de mais uma das minhas aventuras de culinária.

Preparem-se: é um bolo de batata doce! Sim, batata doce! Fácil de fazer, com a vantagem de não ter manteiga e marcha que nem ginjas!

A receita original tem uma cobertura de marshmallow. Mas como não posso alinhar no açucar, não a usei. O bolo fica delicioso na mesma sem a cobertura. Com a vantagem que desta forma, tem menos calorias!

Como é hábito, substitui o açucar por stevia, o ovo por iogurte grego natural.

Eu que adoro cenoura, adorei ler na receita original que a batata doce pode ser subsituida por cenoura. Já estou a pensar na próxima versão "turbinada" desta receita: substituir a bata doce por cenoura e acrescentar-lhe noz. 

Para fazerem esta receita (da mesma forma que moi même) irão precisar: batata doce, stevia, óleo vegetal (eu usei metade do indicado na receita), iogurte grego, farinha, canela, noz moscada e extracto de baunilha. 

Para terem ideia de quanto iogurte usar, normalmente substituo 1 ovo por um copo de iogurte de 1 copo de 125 gramas. Podem usar iogurte grego natural ou iogurte natural. Também já experimentei usar iogurte natural sem lactose e resulta. 

Podem ver aqui a receita original para saberem as quantidades exactas a usar.
12 de Dezembro, 2016

Queres brilhar nas festas que se aproximam?

Vera Gomes
Numa altura em que se aproxima o Natal e o Ano Novo e todos queremos brilhar, cada um à sua maneira, deixo-vos umas sugestões para tornarem as vossas festas inesquecíveis. Como não discriminamos ninguém, são sugestões para a menina e para o menino.

Confesso: a primeira foto é a minha preferida. Tivesse eu o cabelo mais comprido e era certinha na noite da consoada!

Experimentem (se conseguirem e tiverem coragem) tirem fotos e enviem-nas. Adorarei partilhá-las com o mundo! Se não tiverem coragem de experimentar (ou talento como é o meu caso) digam só qual é o vosso penteado preferido.


festas
... )
09 de Dezembro, 2016

5 Presentes de Natal para encantar e surpreender

Vera Gomes
A malta anda em crise. Todos os anos é a mesma coisa: o dinheiro não cresce. Mas não se apoquentem! Eu que defendo que não importa o valor, o que interessa é prendas que puxem ao sentimento de quem as recebe, deixo-vos umas dicas para presentes abaixo dos 10 euros que irá fazer sorrir quem o receber e aquecer-lhe a alma!


1) Primeiro, são bons. Segundo é literatura independente e com talento. Terceiro, quem não comprar nem que seja para si próprio é um ovo podre! Ah! E estão disponiveis por 10 euros (dois deles um deles é ainda mais barato!) com portes incluidos, portanto presentes perfeitos! Podem encomendar aqui ou clicar na imagem para a página Facebook da autora. 






... )
08 de Dezembro, 2016

Prison Break das peúgas

Vera Gomes


Prison

Já tinha partilhado convosco o meu drama das meias: entram duas na máquina de lavar e apenas sai uma. Um autêntico teste de sobrevivência que só os mais fortes resistem. 

Na esperança de travar a chacina das meias, decidi começar a metê-las dentro dos sacos próprios que existem para roupa delicada. Pensei eu que assim, conseguiria garantir que nenhuma teria de se sacrificar em prol da outra. 

Para grande surpresa minha, descobri que afinal não se trata de uma luta pela sobrevivência, mas uma luta pela liberdade! Isto porque depois da primeira experiência de usar o saco para lavar as meias e roupa interior, quando fui tirar a roupa da máquina, para surpresa minha, havia uma meia à solta pelo tambor! A meia conseguiu escapar do saco e andava a vaguear alegremente no meio da outra ropa, quiçá a tentar escapar-se! E então fez-se luz: o desaparecimento das meias é na realidade o final do Prison Break! As meias a lutar para escaparem da clausura e chegarem.... ao paraíso das meias?