Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

24 de Novembro, 2013

Patinagem no gelo - a primeira vez

Vera Gomes

Eu nunca fui pessoa de pôr outro tipo de acessórios nos pés além de meias e calçado. Acho que algures na minha infância experimentei patins de 4 rodas e foi um desastre. Skate, patins em linha nem comento.

 

Sempre tive um fascínio e admiração por patinagem no gelo e sim, sou daquelas que é capaz de passar à frente um jogo decisivo para o campeonato português ou competição internacional, para ver os campeonatos de patinagem no gelo. A elegância e facilidade aparente com que vejo os atletas a deslizarem sobre o gelo com duas lâminas nos pés... fascina-me e faz-me roer de inveja de tanta inaptitude que tenho para desportos.

 

Aqui a malta patina no gelo por diversão. E eu, com o peito cheio de ar numa mistura de cobardia e bravura, pedi a um colega que ao meu lado é o Plushenko, para ser um querido e ir comigo patinar. Meus caros, ontem foi o dia! (Neste caso noite que a partir das 16h a coisa começa a escurecer rapidamente). 

 

E lá fui eu! De patins nos pés (aqui pode-se alugar os patins no ringue) numa mistura de excitação e entusiasmo com "oh meus Deus, vou-me partir toda e depois o que vai ser de mim!". Aquilo que posso dizer é que correu muito bem. Estive cerca de duas hora e meia no ringue. Apesar das ameaças, não cai uma única vez! E se no inicio comecei agarrada ás vedações do ringue ou a testar o Ronny (a alma caridosa que foi comigo) e todas as suas capacidades de resistência e equilibrio, no final jã andava (andava, não deslizava) em torno do ringue sem qualquer apoio. 

 

Ali a meio quando parecia um bebé a tentar largar a mão do pai para se aventurar nos primeiros passos sozinho, lá me ia agarrando a desconhecidos, pedindo encarecidamente desculpa e a explicar que era a minha primeira vez. Entre sorrisos de compreensão e de troºa, lá me iam ajudando e gentilmente desviavam-se de mim ou então seguravam-me para que não me estatela-se no chão.

 

Vi por lá gente de todas as idades, uns com mais prática e destreza do que outros, outros tal como eu tentavam aguentar-se em cima daqueles sapatos demoníacos. Verdade é que mesmo estando em cima de lâminas no máximo com meio centímetro de largura, é bastante fácil andar (fora do gelo) em cima deles. E no gelo, com alguma persistência e confiança que se vai adquirindo, consegue-se andar. Agora.... quando é para dar impulso para deslizar no gelo... bom... precisarei certamente de bem mais do que duas horas e meia de treino. É que sempre que tentava, os pézinhos iam em direcções opostas e lá ia um rodopio agarrada ao Ronny....

 

Agora resta continuar a praticar e manter a esperança que pelo menos algum dia conseguirei deslizar como alguns miúdos de 6/ 7 anos lá andavam todos contentes e confiantes.

 

Fica algumas fotos para a posteridade e o vídeo que o Ronny fez dos meus primeiros "baby steps" no gelo virá mais tarde. 

 

 

A pista quando estava a ser preparada

 

"Sem mãos!!!!"

 

"Olha eu a andar tão graciosa e elegante" (cof cof)

 

Eu a tentar fazer um avião sem afocinhar no gelo.

 

A população que andava por ali como eu ando no passeio...

 

Os patins : )