Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Bom Português

Ontem vários comboios foram suprimidos por motivos de greve.

Ia eu a caminho do Porto no comboio e ouço alguém dizer ao telefone: "pois, era suposto eu ir mais cedo, mas como o comboio antes deste foi surpreendido vou chegar mais tarde".... 

 

Tudo o que é bom tem um fim

Amanhã termina uma semana de mimos da mamã e de não fazer nenhum a não ser dormir e comer (que diga-se cansa muuuito). 

Foi uma semana boa para desligar o botão, relaxar, dedicar algum tempo ao AstroPT, pôr leituras em dia (recomendo o Homem de São Petersburgo de Ken Follet), ver alguns filmes e séries que estavam em lista de espera há meses, senão anos.

 

Já defini a lista de objectivos para 2013, e alguns são bem ambiciosos, mas... depende de mim consegui-los.

 

Agora é altura de fazer malas, voltar à realidade e ao trabalho, à rotina do dia-a-dia e às preocupações. Mas pelo menos, irei com um sorriso de orelha a orelha e uns quilitos a mais. : p

Balanço Natalicio

Nas próximas 3 semanas não me aproximo numa balança à custa do que comi ontem e hoje. 

De castigo e porque com mais uma migalha rebento, vou para a cama sem jantar! É bom estar com a família, comer os cozinhados e docinhos da mamã, rir com as piadas do pai, admirar a humildade da avô, a tranquilidade do avô, ouvir as gargalhadas da tia. 

 

Agora é tempo de começar a pensar em 2013, nos objectivos para o ano, no rumo que a vida irá tomar : )

 

É Natal! É Natal!

E prevê-se que também seja tempo de engorda, considerando que estou a ouvir a mamã na cozinha e cheira-me que teremos bolinho, rabanadas, e outras coisas boas boas boas muito em breve.

 

A todos um Bom e Santo Natal!!! : )

Não há senhas!!!

Hoje fui levantar uma encomenda aos Correios. 

Cheguei e não estava ninguém na estação. Pensei: "porreiro! despacho-me mais rápido".

Fui tirar uma senha para ser atendida e a máquina estava fora de serviço. Dirigi-me por isso ao balcão e dos três funcionários totalmente disponíveis, escolhi um, cumprimentei e estendi o papelinho para levantar a encomenda.

 

Passo a escreve ro diálogo que se seguiu

 

Eu: Bom dia! Venho levantar esta encomenda.

Funcionário: Terá que tirar uma senha e aguardar a sua vez.

Eu: a máquina das senhas está fora de serviço.

Funcionário: terá que ir para a fila.

(olho em volta e não há mais ninguém a não ser eu)

Eu: Mas... fila onde? 

Funcionário: junto à máquina das senhas para tirar uma e esperar que seja atendida.

Eu: Mas a máquina não está a funcionar e não há aqui mais ninguém sem ser eu.

Funcionário: Pois, mas tem que ter uma senha e tem que ir para a fila para tirar uma senha! A minha colega vai lá pôr a máquina a funcionar.

 

Percebo que não valia a pena e dirigi-me novamente à máquina onde uam funcionária contrariada tentava que a máquina funcionasse. Após algumas tentativas infrutíferas, dirigiu-se junto dos colegas do balcão e disse: "a máquina não funciona".

 

Bom.. lá me aproximei novamente do senhor...

Eu: Posso agora levantar a minha encomenda?

Funcionário: Tem que tirar uma senha.

Eu: Mas a máquina não está a funcionar!!! A sua colega acabou de o dizer!

Funcionário: tem que ir para a fila!

Eu: Mas não há ninguém cá a não ser eu!!!!

Funcionário: Pois, mas não posso atendê-la!

 

Percebi que não valia a pena e fui a outra funcionária que me resppndeu: "só se for alguma coisa que não precise de usar o computador que não está a funcionar". 

 

Ao fim de 10m nesta brincadeira, lá consegui levantar a encomenda. A muito custo, claramente!

O fim do mundo está perto

Bom, tendo em conta que o mundo vai acabar, e tendo em conta acontecimentos recentes, achei por bem deixar um registo pelo menos, da minha última vontade, que ainda não sei muito bem quem irá certificar-se que irá cumprir, mas quiçá, seja o Nibiru que aí vem.

 

Assim, quero desde já expressar que não desejo velório. Mortos em exposição não é coisa que me apraz. E depois os velórios têm sempre alcoviteiras de serviço, pessoas que gostam implicitamente e a maior parte das vezes inconscientemente provocar dor naqueles que são próximos ao falecido. 

 

Outra coisa que dispenso, e perdoe-me a economia local e as floristas, são as flores. Os mortos não vêm nem cheiram as flores, nem precisam de enfeites florais em cima já que não são bibelôs. 

 

E certamente que até ao fim do mundo efectivo me lembrarei de mais coisas...

 

 

 

 

Dias...

Dizem que o fim do mundo acaba lá para dia 21 de Dezembro. Teorias que andam por aí, sem nexo. Contudo, nestas últimas semanas, sinto que o mundo tem morrido um bocadinho tendo em conta o número de mortes que se vai ouvindo falar. 

 

Ontem foi o funeral de um familiar meu. Seis anos depois da morte de uma familiar próxima. E custa. Não há palavras que façam sentir melhor nestas alturas nem pragmatismo que diminua o sofrimento. Dói ver pessoas próximas a partirem, mas fica a recordações de olhos grandes e brilhantes a sorrir e a vivacidade que tinham. 

 

A vida continua e a morte faz parte. Infelizmente. Mas certo é que todos iremos morrer e que "a saúde é um estado transitório que não agoira nada de bom".

 

Obrigada  aos poucos que souberam e me tentaram animar. Obrigada aos meus amigos. E obrigada por existirem na minha vida. Posso não telefonar todas as semanas, mas gosto muito de vocês.

Pág. 1/2