Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

20 de Setembro, 2012

Companhia ao pequeno almoço

Vera Gomes

Há 8 anos que me mudei para a capital e confesso que sempre adorei a minha casinha de bonecas. Há uns anos atrás tive uma infestação de bicharadas (entenda-se ratos e baratas) quando faleceu o vizinho de frente e o proprietário do imóvel resolveu limpar e esvaziar a casa. Ora, como aquele espaço nem sequer tinha água canalizada, dá para imaginar o terror higiénico que por ali havia.

 

Ontem, estava eu descansada a tomar o pequeno-almoço, ou seja, nestum mel, sentada junto à janela, e vejo ali ao longe, algo a caminhar do sofá para a mesa. Pensei: "vou pensar que é um grilo". E continuei a comer e sempre com isso em mente: "não pode ser uma barata. é um grilo". Mas às tantas, não aguentei mais, e resolvi ultrapassar a minha miopia e aproximei-me: era mesmo uma barata para meu terror! Depois de muito ar no peito e muito auto-controlo, lá consegui matá-la sem a pisar e nem lhe tocar nem me aproximar demasiado. O nestum ainda me chegou umas vezes à garganta...

 

Em 8 anos que moro em Lisboa esta é a segunda barata que vejo lá em casa. E espero que a última. Porque há um pózinho branco que agora habita junto aos rodapés lá em casa e na parte de fora também! O Coelho terá que passar uns dias sem sair da gaiola, mas é por um bom motivo!

 

Agora levanto-me todos os dias de manhã com receio de encontrar baratas mortas de patas para o ar pela casa! É um acordar com suores frios! E hoje... passei a noite a sonhar com baratas: brancas com manchas castanhas. Gigantes e estaladiças quando não as conseguia evitar e as pisava. nhec!

 

É nestas alturas que penso seria bom ter um homem a morar lá em casa. Tinha tornado o mue dia muito mais fácil: "Querido, está ali uma barata". E ele ia lá, cheio da sua masculinidade e pimbas! matava a barata! Ou então "querido, podes levantar-te e verificar se há baratas mortas pela casa?": e lá ia ele, cheio de romantismo e bravura, ver os cantos à casa.

 

 

19 de Setembro, 2012

Sabem aqueles dias que é melhor nem sair de casa?

Vera Gomes

Ontem foi uma espécie deles. Mas a questão.... é que tinha que voltar para casa.

E ainda nem o avião estava com a porta fechada, já estava eu desesperada a correr para o wc. Houve qualquer coisa que comi que não foi boa ideia...

Lá a coisa acalmou e pedi para trocar de lugar com a senhora que ia na coxia, explicando que provavelmente teria de me levantar algumas vezes durante o voo. Resposta muito pronta: "Não troco que o lugar da janela é claustrofóbico!".

Lá tive que me resignar ao meu lugar e decidi trabalhar. Chega as refeições e o espaço é de facto diminuto. Computador para ali, tabuleiro para acolá e lá consegui acomodar tudo. Sinto o cheiro da refeição: massa com frango. Tudo salteado no belo azeite. E à segunda garfada foi ver o frango a voar, a massa a saltar e o azeite a espalhar-se no banco, no computador, na minha roupa. no fato do senhor ao meu lado... Foi uma autêntica... nódoa! E não havia pedido de desculpas que minorizasse o tamanho das nódoas....

 

12 de Setembro, 2012

Nem me apetece falar muito sobre o assunto...

Vera Gomes

E o Pedro Guerreiro diz tudo num único paragrafo:

"O Governo estragou tudo. Tudo. Estragou a estabilidade política, a paz social, estragou aquilo que entre a revolta e o pasmo agregava o país: o sentido de que tínhamos de sair disto juntos. Sairemos disto separados? Hoje não é dia de penas, é dia de soqueira. (...) É imperdoável que não perceba que matou a esperança a milhares de pessoas. Ontem foi o dia em que muitos portugueses começaram a tomar decisões definitivas para as suas vidas, seja emigrar, vender o que têm, partir para outra. Ou o pior de tudo: desistir."


Para ler aqui.

Pág. 2/2