Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

11 de Junho, 2012

Açores IV - O evento social do sítio

Vera Gomes

Ontem foi dia de comprovar mais uma vez a hospitalidade açoriana que é de facto algo notável.

Por convite da Tânia lá foi toda a gente até Doze Ribeiras ver a tourada açoriana. Na realidade não é tourada: consite em soltar um touro na rua durante uns minutos, sem qualquer tipo de artefacto que magoe o touro. Normalmente quem sofre são os humanos, não os touros. Confesso que não consigo deixar de pensar que o touro possa estar a sofrer... Mas lá assisti.

A largada consiste em 4 touros que são largados um de cada vez. Estão amarrados com cordas para que não ultrapasse as linhas que estão definidas na estrada. Aos que seguram as cordas chamam-lhes os Pastores (4 em cada ponta da corda). O momento alto é o 5º touro, ou seja, as Mini's.

 

Curioso foi ouvir fado nos Açores. Sim, na rua havia touros a correr, no interior havia fado ao vivo e comida da boa. O fadista era de facto soberbo e a comida não ficava atrás. O único senão do dia foi aquela lado da ilha estar envolto numa neblina húmida (típica daquela zona e dos Açores) que fez com que o meu casaco ainda hoje esteja húmido!

 

Houve tempo igualmente para tentar ir à praia. Já percebo porque motivo praia com areia aqui é raro: a areia é muito mais fina e também escura e agarra-se ao corpo d euma forma irritante. Acresce que o vento também não ajuda....

 

Hoje é dia de fazer a mala e despedir-me desta Ilha que tão bem me acolheu. Obrigada Sérgio, Sara, Ana e a outra Ana também, Ricardo, Zé, Filipe, Daniel, Tânia que tornaram esta minha estadia muito mais divertida. Prometo que caso haja próxima trarei 2 dúzias de Pasteis de Belém e não 2 caixas. Obrigada por tudo e até à próxima! : )

 

 

(PS: consegui escrever um singelo agradecimento sem chorar. Este meu lado lamechas contudo não deu para tudo: não chorei... por pouco!)

10 de Junho, 2012

Açores III - Estive dentro de um vulcão!!!!

Vera Gomes

É verdade! Estive mesmo dentro de um vulcão. O único no mundo que é visitável! Chama-se Algar do Carvão e merece mesmo uma visita. Aconselho contudo a levarem um impermeável, porque a humidade ali abunda mesmo e parece que está sempre a chover.

 

Também foi dia de visitar as Grutas de Natal. Na minha opinião não são tão espectaculares como o Algar, mas é giro. Até tem uma parte para os mais aventureiros, sempre com segurança, claro.

 

Lagoa das Patas como é conhecido, é um local mágico nesta ilha. Uma zona de recreio com as devidas nstalações para pic-nic's sem perder o lado verde e selvagem da mata, e com um lago com nenufers e patos delicioso. Se algum dia voltar a casar ou algo do genero gostaria que fosse num local como este: mágico!

 

Sim, também vi o jogo da selecção mas não vou comentar. Preferi concentrar as minhas energias a provar a doçaria cá o sitio que sinceramente... não recomendo.

 

Noite de copos com um grupo fabuloso desta vez noutro ponto da ilha. Se na Praia da Vitória o lema é "quanto mais despido melhor" em Angra é "quantas mais lantejoulas melhor!". Fartei-me de rir, dançar, conversar, conhecer pessoas novas. Uma lufada de ar fresco no que tem sido os últimos meses de labuta pela pátria!

 

Agora? Agora é dia de conhecer uma outra cidadezinha e claro: a praia. Não tenho esperança que tenha areia...

 

(PS: Sérgio, se ainda não saíste de casa tens um daqueles maravilhos iogurtes para ti no frigorífico. Eu e a Ana estamos a apanhar solinho por esta altura :P)

 

09 de Junho, 2012

Açores II

Vera Gomes

O segundo dia na Terceira foi looongo, interessante e também um pouco (muiiito) cansativo.

 

O dia começou com uma incursão pela mercearia em frente a casa. E... sabiam que existe coco laranja, verde e castanho além do tradicional branco? Amei os pacotes de iogurte liquido aqui dos Açores não só é delicioso como com bom preço. O total de compras foi de 1,97€ por: 1 iorgurte liquido (200ml), um santal, duas carcaças e 1 pacote bolachas tuc.... Pensei que se tinham enganado...

 

Ora lá aproveitei para tomar o pequeno almoço num banco de jardim ali no largo da Igreja Matriz, para visitar o Império ali ao lado, os frescos que estão a ser recuperados na Igreja e depois parti à aventura. E que aventura, meus caros leitores! Vi paisagens lindissimas mas a verdade é que ao fim de 2h a andar a pé continuava no meio do  nada e vi-me de repente no meio de nuvens. A humidade é um grande inimigo aqui: cansa sem que sintamos cansaço muscular. Tira-nos o fôlego e deixa-nos... húmidos. Resolvi parar junto à Maria Vieira (uma espécie de santuário aqui na Ilha. Segundo consta, uma rapariga - presumo que a Maria Vieira - foi violada e morta no local onde anos mais tarde se deu um milagre. É desde então local de peregrinação, uma dos mais importantes na Terceira). Lá parei a pensar no que faria: se voltaria para trás se ficaria ali onde me poderia abrigar caso começasse a chover. Acabei por regressar e não foi fácil! Enquanto estava na Mara Vieira coloquei uma mensagem no facebook a dizer que estava perdida na Terceira no meio do nada. E os meus amigos, queridos como são, deram-me sugestões de locais a visitar e exprimiram a sua inveja por não estar no meu lugar. EU ESTAVA PERDIDA, PÁ! Mesmo no meio do nada.

 

Depois de um almoço com pessoas simpáticas que por cá habitam, seguiu-se o Monte Brasil, local de visita obrigatória não só pela paisagem (quando cheguei estava nublado, mas depois abriu), mas também pelas peças de armamento da Segunda Guerra Mundial que ainda lá existem. O Monte Brasil tem também uma cratera de vulcão (onde se situa a carreira militar de tiro) e uma espécie de mini-zoo. Muito engraçado, sobretudo termos passado seguramente uns 45m a subornar o pavão para abrir a cauda e conseguirmos uma foto de jeito...

 

Ponto paragem seguinte as Furnas de Enxofre. Sinceramente... nada de especial. Paisagem gira, cheiro a exonfre, um fumo aqu e acolá, bom concerto de sapos e rãs. Dizem que as de S. Miguel são muito mais interessantes. De seguida, um passeio pela Ilha a caminho dos Biscoitos. Segundo me contaram os Biscoitos são o Algarve cá do sitio. E ó meus amigos, aquilo são pedragulhos pretos com cimento entre eles a fazer de praia.... é giro porque formam uma espécie de piscinas naturais mas é uma zona rochosa, muito ventosa. Contudo, senhoras muito simpáticas a vender artesanato e produtos alimentares aqui da terra.(Mãezinha já comprei um iman para o teu frigorifico com vacas e tudo)

 

Paragem seguinte: Praia da Vitória. Cidade (?) muito pacata à beira mar com uma animação nocturna que mais tarde se provou.... peculiar. Um miradouro imponente que merece visita e de onde se consegue ver toda a cidade e porto além da zona montanhosa da ilha. A cidade mais próxima da Base das Lajes e por isso extremamente frequentada por americanos (que se topam ao longe) e militares portugueses. Jantarito foi ali mesmo às portas da Base no Press Pizza, uma espécie de pizarria italiana nos Açores com um je ne sais quoi de americano: o tamanho das doses, o sabor do hamburguer de frango, os copos industriais de coca-cola....

 

E ao jantar  em boa companhia foi ponto de partida para uma saída nocturna, para Praia da Vitória, claro.

 

Hoje é visita ao Algar do Carvão e às Grutas de Natal, onde é Natal todo o ano! : )

08 de Junho, 2012

Açores I

Vera Gomes

Depois de 2h30 terríveis de voo com dois gémeos no banco de trás (um a cantar outro a gritar e aos pontapés ao meu banco) aterrei no Aeroporto das Lajes. Aliás: aerogare das Lajes. Ali estavam uns belos aviões militares americanos (fotos aparecem quando chegar a Lisboa...).

O aeroporto não é nada de extraordinário, é pequeno, na minha opinião melhor do que o aeroporto de Porto Santo.

 

À minha espera quem teve bondade de me acolher que começou logo a preparar-me para o que vinha a seguir. è que eu levei pasteis de Belém, segundo me disseram o meu passaporte de entrada na Terceira. E assim foi. A única questão é que aquela malta  já tinha começado o "aquecimento" num pic-nic durante a tarde e claramente estavam a mais 10mil rotações do que eu.

 

Foi sem sombra de dúvida a recepção mais ruidosa e divertida que tive até hoje depois de uma viagem: boa gente (mesmo com os copos), divertidos e entre eles até pessoal que andou comigo na secundária. O mundo é mesmo pequeno!

05 de Junho, 2012

Eu só queria pintar a casa...

Vera Gomes

... mas ao fim de umas horas descobri que os choques eléctricos que apanhei afinal era um problema da rede pública de electricidade que passava 120 volts indevidamente. E o resultado foi fabuloso: duas equipas do piquete da EDP lá em casa, começaram a partir uma parede e os vizinhos a reclamar porque estavam sem luz...

 

O resultado foi que: as equipas foram impecáveis, arranjaram tudo o que partiram e ainda limparam; eu continuo sem conseguir pintar a casa; os vizinhos problemáticos revelaram-se bastante mal educados e incovenientes, e para desespero deles, a EDP começa amanhã a partir o chão da rua e quiçá das Escadinhas para descobrir onde o cabo tem problemas. E se tudo correr bem, depois de eles arranjarem o problema, eu deixo de ter choques eléctricos lá em casa de 120 volts. O único senão, é que no meio disto tudo, os vizinhos também vão deixar de ter choques.... dam!