Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

09 de Abril, 2012

Pirilampos

Vera Gomes

Na minha adolescência ao fundo da rua morava um rapazito com um dom para guitarra. Tinha um aspecto assim para o grunge e um hábito terrível de roer as unhas até ao sabugo. Todas as raparigas do grupo num determinado ponto tiveram uma paixoneta por ele. E eu não fui excepção. Foi ele a pessoa que me mostrou pela primeira vez um pirilampo e desde então que ficou conhecido entre nós e próximos por Pirilampo. 

 

Aquele aspecto grunge, com aquela guitarra e voz rouca como só ele sabia fazer lembrava-nos o Cobain e suspiravamos... Foi um grupo muito propício a triângulos amoroso e claro que eu o Pirilampo também tivemos direito ao nosso.

 

Ao longos dos anos, sempre que vim à terrinha fui-me cruzando com ele num bar que sempre frequentei desde que vim para cá morar e que continuei a frequentar ocasionalmente nas minhas visitas à família. E ele lá estava: atrás do balcão (coisa que sempre fez desde que saiu do Liceu e que continua a fazer), com o mesmo corte de cabelo, o mesmo vício de roer as unhas até ao sabugo e as mesmas borbulhas no rosto. 

 

Hoje cruzei-me com ele na rua. E reparei que mesmo 14 anos depois o Pirilampo continua exactamente igual: magro, borbulhento e a roer as unhas. Descobri que namora com uma rapariga que andou comigo no liceu: dentes tortos, assim para o mal feita e com um sotaque tripeiro que assusta. E apesar de me lembrar dos tempos da nossa adolescência com saudade e carinho e achar que são boas pessoas, não pude deixar de pensar "estão óptimos um para o outro. Assim não se estraga dois lares".

09 de Abril, 2012

Férias ou preguicite aguda?

Vera Gomes

Estar de férias tem as suas vantagens: não há horas para nada, muito relax e descanso. Pior é quando se quer fazer milhentas coisas e a vontade é nenhuma. Emails para responder, questionários para responder, livros para ler, apresentações para preparar. E tudo isto parece tarefas doloramente penosas.

Mais ou menos como me sinto neste momento....