Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Porque motivo as mulheres vão ao cabeleireiro?

Hoje fui cortar o cabelo. Quem me conhece sabe que faço cerca de 350kms para cortar a trunfa que cada vez cresce mais rápido e mais farta. E enquanto lá estava comecei a observar as restantes clientes. Entravam sem brilho, com ar triste e deprimido, até com frio curvadas em si na esperança de aquecerem. Sentam-se pesarosamente para alguém lhes lavar o cabelo de forma quase mecânica. Umas deixam de uma forma quase que inanimada que alguém lhes pincele a cabeça com uma solução pastosa e enfiam toucas que lhes dá um dar doido e aguardam pela nova lavagem. Noutro lado, outras sentadas ao espelho com um brilho nos olhos que se começa a avislumbar aguardam impaciente que a rapariga alta e loira com ar da Europa de Leste mas que sorri enquanto mexe nos cabelos, termine o seu trabalho. 

E depois é vê-las a sair: resplandecentes, revigoradas a olharem para tudoo que é superfice que as reflicta pelo canto do olho, a transpirarem auto-confiança por todos os poros da pele, seguras de si e a sentirem a mulher mais sexy e bonita do mundo. E hoje descobri, que é por esta sensação que as mulheres vão com regularidade ao cabeleireiro: para sentirem que conseguem dominar o mundo e tê-lo aos seus pés.

Manhã de Natal!

Sol que entra pela janela e me aquece enquanto vou ouvindo os ruidos da casa e das redondezas. Os sinos tocam nas igrejas, por aqui e acolá ouve-se uns foguetes (pelo menos este ano não começaram às 7h da manhã). Os presentes foram desembrulhados, ums risos, uns obrigados denota-se carinho em cada laço e em cada sorriso. É Natal. A Família reuniu-se! Momentos que não se esquecem e que só nós apreciamos de uma forma que mais ninguém consegue apreciar.

Porque não?

Hoje li isto. Não li ainda  carta a que se refere a senhora, mas depois da tinta que vem sido escorrida ao longo dos últimos dias, tenho apenas uma pergunta a fazer: quantos de nós já não pensaram em emigrar ainda antes deste Governo estar em funções? É porque eu penso em emigrar há já alguns anos e tenho tentado para alguns cargos específicos. E tenho amigos que têm feito o mesmo e alguns inclusive já estão a trabalhar noutros países...

Carteiros fotógrafos

O meu pai foi carteiro. Está reformado há um ano e meio, mas durante anos distribui alegrias e tristezas diariamente.

Eu cresci no meio de registos, avisos de recepção, envelopes e selos. Lembro-me de ser miúda e de esticar a língua para que o meu pai pudesse humedecer o selo e colocar na correspondência que alguém lhe tinha pedido para expedir.  Recordo com alguma saudade a farda azul que o meu pai vestia para depois montar a bicicleta (sim, meu caro, há muitos anos atrás o correio era distribuido de bicicleta e/ ou a pé) e das histórias que amiúde contava de peripécias, aventuras e desventuras que lhe aconteciam no dia-a-dia. Acreditem que os carteiros têm muitas histórias para contar!

Ainda hoje, o meu pai é conhecido lá na terrinha por Carteiro. Toda a gente o conhece e ele conhece toda a gente. Sabe com primor as alterações que a vida das pessoas sofreram: mortes, nascimentos, despedimentos, novos empregos, novas aventuras, etc; e guarda essas informações com a confidencialidade por que sempre se pautou. Dedicou-se de corpo e alma à empresa que o acolheu, sobreviveu a épocas menos boas e tentou sempre ser ainda melhor na sua funções. Recebeu prémios anuais por mérito no CDP que trabalhou durante quase 20 anos e todos o recordam por ele estar extremamente concentrado no seu trabalho durante as horas que passava a prestar um serviço público.

Foi por isso com algum carinho e reconhecimento que hoje de manhã vi uma reportagem sobre o concurso que os CTT realizou desafiando os carteiros a fotografarem aquilo que vêem diariamente (e acreditem que vêem muita coisa!)

 

Podem ver algumas dessas fotos aqui e aqui.

 

E para ti, pai, nunca te disse o suficiente o quão orgulhosa estou de ti!

Pág. 1/2