Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

12 de Julho, 2009

Fim de semana nortenho

Vera Gomes

Fim de semana em familia no Norte. Há que regressar às origens sempre que possível nem que seja para pôr a conversa em dia. Desta feita, a familia uniu-se para uma tarefa em conjunto: tirar batatas. Isto porque os meus avôs têm a mania de plantar batatas apesar de já terem idade é de descansarem de uma vida de trabalho intenso.

 

Mãe e Tia na enxada, eu na apanha da batata e num dia lá se tirou cerca de 200 quilos de batatas que viemos a descobrir no dia seguinte (dia pautado por andares novos e dores musculares agudas) que os meus avôs demorariam no minimo 3 anos a comer tanta batata. Claro que de seguida descobrimos que  custo do investimento e o retorno é... falência total!

 

Portanto, a verdade é que agora estamos a tentar demonstrar aos ascendentes que não compensa o gasto, não compensa o esforço e sobretudo..... os meus avôs precisam de descansar!!!!

08 de Julho, 2009

Merendinhas

Vera Gomes

Descobri nas Caldas uma padaria que faz uma merendinhas (vulgo lanche no Norte) que são uma verdadeira delicia. Todos os dias lá ia e satisfazia a minha gula. Alguém deve ter alado com eles, porque deixaram de fazer as merendinhas!!! bandidos! Uma pessoa com fome e a querer alimentar-se e eles não colaboram!!!! Era apanhá-los! Até porque  dar comer a quem tem fome é uma bem aventurança!

07 de Julho, 2009

As férias que nunca tive

Vera Gomes

Um cruzeiro. Porque num cruzeiro não há rede. O portátil fica em casa e são dias e dias algures no meio do Oceano a desfrutar do sol, a pôr leitura em dia, a fazer exercicio fisico só porque me apetece e sem ter que falar com ninguém. Quando conseguir esta proeza, serei a pessoa mais feliz à face da terra.

05 de Julho, 2009

De dormitar em dormitar...

Vera Gomes

... lá me fui refazendo do rescaldo de um Sabado agitado. Mulherio ao rubro, dia de festa e vendas. E claro com as suas peripécias:

 

- com a confusão da organização do evento, esqueci-me do Coelho dentro do carro, ao sol, até à hora de almoço. Pobre do bicho, ainda estava vivo. A minha penitência continua por tão vil acto.

- no final da manhã, aparece por lá um otário qualquer, não percebi se não com neurónios a menos se podre de bebado logo pela manhã, de boca toda suja e a gritar impropérios a tentar rebentar os balões com a boca e a molestar a minha equipa. Ora, eu pedi gentilmente 3 vezes que ele se fosse embora. Ele começou a afastar-se e eu resolvi tratar do coelho. Eis que o ouço a dirigir palavras menos próprias com gestos ameaçadores à minha equipa. E eu, tal e qual cavaleiro montado em cavalo branco fui defender a minha dama: lembrei-me do que aprendi nas minhas aventuras militares, atirei-me com uma mão á traqueia do gajo, ele perdeu o pio, deu três passos atrás e a doce e gentil Verinha transformou-se no Rambo lá do sitio. Resolvi o assunto. Não da forma mais diplomática. Os traseuntes ficaram boquiabertos por uma meia leca como eu ter imobilizado um homem feito. A prova de que uma mulher não se mede aos palmos.

 

 

Pág. 2/2