Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

01 de Julho, 2008

Podes drogar-te: tabaco é que não!!!

Vera Gomes

Holanda proíbe tabaco nos “charros”

A partir desta terça-feira, se passar por Amesterdão e quiser ser romano, não se esqueça de tirar o tabaco do “charro”, que continua a ser legalmente permitido fumar.

A peculiaridade da lei holandesa anti-tabaco, que entra em vigor neste dia, proíbe o consumo de cigarros, mesmo nos cerca de 750 “coffee-shops” holandeses, onde se pode continuar a consumir drogas como haxixe e marijuana.

Como a generalidade mistura tabaco e haxixe, a fim de contornar a lei e manter os clientes em estado capaz de fumar e ficar de pé ao mesmo tempo, evitando charros puros, os donos dos “coffee-shops” estão a recorrer a vaporizadores. Um engenho que armazena o vapor da queima a erva, depois inalada pelos clientes.

Como o cliente inala, em vez de fumar, os proprietários evitam as sanções dos inspectores de saúde, que procuram, somente, violações à lei anti-tabaco, conta o “El País”.

A proibição de fumar nos locais de trabalho, em vigor desde 2004, foi agora alargada aos estabelecimentos de hotelaria e restauração, apesar dos pedidos de prorrogação da isenção dos “coffee-shop”. Em resultado disso, os charros deixam de poder ser feitos com tabaco.

Entrepostos de droga
 
Os partidos Social-Democrata, Verdes e liberais de esquerda defendiam a isenção dos coffee-shops na lei, que agora se aplica também a salas de congressos e aeroportos. A associação Nacional de Coffee-shops, citada pelo “El País” teme que “a lei transforme os estabelecimentos em entrepostos, retirando-lhes a função social de evitar o tráfico”.

Apesar das dificuldades, não há grandes preocupações. “É possível que se aumente as combinações com outras ervas [como a farfalha] e generalizemos uso dos vaporizadores”, explica Jeanneke, uma jovem empregada do “Kandinsky”, um dos locais mais conhecidos de Amesterdão.

 

in JN Online, 01/07/2008