Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

06 de Junho, 2007

2º e 3º dia na Madeira

Vera Gomes
Por ontem ter estado completamente estoirada quando cheguei ao Hotel, não escrevi a crónica do segundo dia de viagem, pelo que hoje, aproveitando as promoções dois em um, aqui fica o relato de dois dias num só post.

Ontem o dia foi para visitar Porto Santo. Sair da cama cedíssimo e sem matar ninguém foi uma verdadeira proeza, considerando que no Cruzeiro estavam cerca de 800 crianças com quem partilhei viagem de ida e de volta também. Começo a pensar que a Corticeira Amorim desperdiçou uma excelente área de negócio: rolhas para calar putos! Reparem que só ontem eram 800 rolhas comercializadas.

A excursão que nos levou a conhecer toda e torno a frisar TODA a ilha durou cerca de 2 horas e com várias paragens ao longo do caminho, consoante a Guia nos ia tentando convencer a mudar-nos para Porto Santo. De facto, mudar-me para lá durante um mês seria óptimo para acabar a minha tese. E a reforma lá também seria boa desde que: tivesse net, tv cabo, e as lojas de Portugal Continental efectuassem entregas em Porto Santo.

Almoço porreiro junto à praia. Miudos aos gritos na praia. Soneca junto ao mar. E regresso, novamente com 800 putos ao Funchal.

O dia foi pautado pelo homem de branco com o qual me cruzei várias vezes. Sempre que o via só em apetecia gritas "Olha o Olá fresquinho!", mas lá me consegui conter.

O dia de hoje foi mais tranquilo tirando as inumeras vezes em que me desloquei ao WC. Não percam as variadas casas de banho da Madeira. Há das que não chegamos com os pés ao chão, há as que têm um sabonete com um perfume ternurento e todas elas com uma limpeza bastante aceitável.

Nada como um passei no autocarro turistico para ver toda a cidade em 1h15m. Funchal de facto não tem lá muito que se ver, porque a riqueza do arquipélago é mesmo a beleza natural. Talvez amanhã seja dia de visitar o Jardim Botânico e o Teleférico.

De regresso ao hotel, a tradicional sesta de férias, seguida por esparramar-me num sofá do lobby no hotel (para ter net) e visionar mais, e a tratar de alguns assuntos prementes.

E agora: jantarito, pois claro!