Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Pânico

Em pânico foi como eu me senti quando hoje a provar um vestido percebi que o meu corpo não é aquilo que era há 6 meses atrás, altura em que frequentava ainda que com pouca regularidade o ginásio. Conclusão: amanhã começo os treinos num ginásio perto de casa! : )
Agora só falta recuperar a minha boa forma física!

O Primo Bazilio

"Há um marido que a veste, que a calça, que a alimenta, que a engoma, que a vela quando está doente, que a atura se ela está nervosa, que tem todos os encargos, todos os tédios, todos os filhos, todos os que vierem, sabes a lei... Por consequência, o primo não tem mais que chegar, bater ao ferrolho, encontra-a asseada, fresca, apetitosa à custa do marido, e...
Teve um risinho, recostou-se com grande satisfação, enrolando deliciosamente o cigarro, regojizando-se no escândalo."

Eça de Queirós

Análises clinicas

Há duas semanas que tenho um papelucho para fazer análises clinicas. Há duas semanas que ando a adiar a visita à sanguessuga e por isso resolvi ir a outro sitio. Assim, hoje de manhã levantei o rabiosque cedinho da cama e lá fui eu para a CUF. Chegando lá, já meia zonza por não comer e quase quase a ter uma queda de tensão, açucar e tudo mais que tenho quando estou sem comer à algumas horas, lá me disseram onde era o laboratório.
Depois de muitos bons dias e nenhuma resposta, conclui que ninguém estava ali, sai para o corredor na esperança vã de perguntar a que horas poderiam fazer a recolha do sangue.
Como não havia vivalma tive de optar por uma solução mais drástica: telefonar para o próprio hospital! E aí me disseram que "análises clinicas? as Recolhas são feitas de 2ª a 6ª feita das 8h às 10 da manhã.". Ainda bem que o carimbo do hospital tinha o telefona caso contrário estaria a guardar vez para segunda-feira e sem saber.

Malditos comprimidos irrequietos

Ontem à noite esqueci-me de tomar o comprimidinhos. Portanto, hoje de manhã, lá estava eu ensonada na casa de banho mas suficientemente acordada (pensava eu) para tomar o dito cujo. Lá abri o comprimido e este, irrequieto, saltou e entalou-se entre o movel do lavatório e a parede.
"Raios", pensei. E lá tentei desentalá-lo. Primeiro com a ponta do tubo do dentifrico. Depois de perceber que não iria resultar, lá perdi um pouco de preguiça e fui buscar uma faca.
Resumindo e conluindo: depois de várias tentativas inglórias, o comprimido morreu esmagado entre a parede e o lavatório.

Isto de se estar em casa tem destas coisas

Como estou em casa, doente, e finalmente consigo estar sentada sem ver tudo a andar à roda, tropecei neste site > Bocas < fantástico que me fez lembrar as tardes de infância em que estava horas em frente da TV a ver bons desenhos animados. Agora passado uma porrada de anos, estou 3 dias à frente da tv e não encontro nada que me faça querer estar em casa a assirtir à transmissão. E como sou obrigada a estar aqui, é um desespero absoluto estar horas a fazer zapping. Raios! Odeio esta doente!

A saúde em primeiro lugar

Vou no segundo dia consecutivo que estou enclausurada em casa porque uma virose qualquer considerou-me uma boa hospedeira e alojou-se a mim. Agora que começo a recuperar a lucidez tenho algumas considerações a tecer:
1º após esta porrada de horas em casa, em que apenas existia a televisão para me fazer cmpanhia, no meio dos delirios comecei a ficar preocupada. Não havia nada, mas mesmo nada que se aproveitasse. Para além da febre e tudo mais o que não estava a precisar era de ficar agoniada. Isto leva-me a concluir que mesmo quando estamos doente a programação da televisão publica e por cabo não melhora o nosso estado. Até porque na tv por cabo temos de ver mil e uma repetições do mesmo espisódio, alguns deles que já vimos há duas semanas atrás.

2º Dois dias, em que estamos 23h45 sozinhos em casa, a delirar, com dores e em modo de sauna portátil tudo começa a parecer mais apelativo do que o nosso lar. Começamos a recordar os momentos na esplanada na praia, as caminhadas. Até o local de trabalho ganha uma aurea apelativa!

3º Passar dias sem conseguir comer e com dores no corpo todo, sem conseguir engolir nem água, é demasiado doloroso para se querer repetir tão cedo. Ainda bem que só tenho destas coisas de anos a anos.

4º Tudo o que para trás escrevi é reduzido à melhor noticia do momento: por ordens médicas não posso comer coisas quentes. Só posso comer coisas frias e sobretudo gelados para não piorar! Até me babo porque posso comer todos os gelados que quiser...e poder! Porque: a saúde em primeiro lugar!