Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

12 de Abril, 2006

Odores e Desodores

Vera Gomes
Parece que o tempo quente está a chegar. E com ele a descoberta que algumas pessoas parecem não conhecer as diferentes utilidades da água, tais como: banho. Sim, meus caros: a água também serva para tomar banho. E sinceramente, nós, os utilizadores dos transportes públicos agradecemos profundamente e com veemência que a utilizem para esse efeito. Não, não adianta perfumarem-se todos se não tomam banho a mistura odorífera que conseguem é digna de receber o Prémio Nobel da Química.
Tomem Banho! Sentirão-se muito melhor (sem colar) e que as pessoas irão aproximar-se e no minimo cumprimentar!
11 de Abril, 2006

Sabedoria para a vida

Vera Gomes
Mostrar cólera e ódio nas palavras ou no semblante é inútil, perigoso, imprudente, ridículo e comum. Nunca se deve revelar cólera ou ódio a não ser por actos; e estes podem ser praticados tanto mais perfeitamente quanto mais perfeitamente tivermos evitado os primeiros. Apenas animais de sangue frio são venenosos.

Falar sem elevar a voz: essa antiga regra das gentes do mundo tem por alvo deixar ao entendimento dos outros a tarefa de descobrir o que dissemos. Ora, tal entendimento é vagaroso, e, antes que termine, já nos fomos. Por outro lado, falar sem elevar a voz significa falar aos sentimentos, e então tudo se inverte. Com maneiras polidas e tom amigável, pode-se falar grandes asneiras a muitas pessoas sem perigo imediato.

Arthur Schopenhauer, in 'Aforismos para a Sabedoria de Vida'
10 de Abril, 2006

Sozinhos

Vera Gomes
O grande problema das grandes cidades é a solidão e a indiferença. Desde que vim para Lisboa tenho notado na solidão dos seus habitantes e a indiferença com que as pessoas se cruzam nas ruas. Cruzam-se como se não houvesse mais ninguém na rua, como se fossem os únicos que por ali andam. Esquecem-se de que existem mais pessoas e no minimo que um sorriso seria agradavel. Não é necessário fazerem publicidade ao dentrifico, mas no minimo não colocarem o seu ar de superioridade n.º 5.
Hoje uma moça sentiu-se mal nas escadas no metro do Marquês de Pombal. Ninguém quis saber. Eu cheguei atrasada ao meu cmpromisso, mas pelo menos, fiz o minimo que gostaria que fizessem se fosse eu ali sentada.
07 de Abril, 2006

Joaquina Amiguinho

Vera Gomes
Na hora de almoço fui ao Pingo Doce. Fui à Charcutaria e estava lá uma rapariga nova a atender. Moçoilas novas têm tendência a ser simpáticas, mas esta vai causar-me pesadelos. Sorriu forçadamente e deu para ver a falha dos dentes laterais e que os restantes tinham uma cor acinzentada.
Recompus-me e fui para a caixa. Deparei-me com uma Sr.ª da terceira Idade a comprar bolinhos de arroz e queques e com conversa de tia... "Só a mim", pensei.
Resolvi mudar-mepara a caixa ao lado. Eis que me deparo com uma baleia, de cabelo grisalho e de nome Joaquina Amiguinho. Tendo em conta que a cara da Joaquina era tudo menos amigável, e que deve usar tamanhos grandes feitos por medida, como foram capaz de a apelidar de "Amiguinho"?!

Pág. 2/2