Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

Escadinhas do Quebra Costas

(con)Viver com Doenças Inflamatórias do Inflamatórias do Intestino. Aventuras, desventuras e muita galhofa! Que a rir custa menos e por isso "Sou feliz só por preguiça."

10 de Julho, 2019

13 Mitos sobre Medicação para Doenças Crónicas

Vera Gomes

1713261a3657e2ec565cf3eb640825f9.jpg

 

A experiência da maioria das pessoas saudáveis ​​com medicação consiste em tratamentos sem prescrição médica, como analgésicos e remédios para gripe. O que pode ser mais difícil para as pessoas saudáveis ​​envolverem-se é o conceito de exigir medicação para uma doença para toda a vida - que ainda não desaparece, mesmo com medicação. A ideia de precisar tomar medicação regularmente, e não ser “curada”, pode parecer inacreditável, e muitas pessoas com doenças crónicas têm enfrentado cepticismo, dúvidas, julgamentos e conselhos médicos inúteis de pessoas que parecem não entender como a medicação funciona quando se tem uma condição crónica. É por isso que se seguem 13 mitos sobre medicação para doenças crónicas!

 

  

  1. Mito: A medicação “cura” a doença crónica.

Realidade: As doenças crónicas são apenas isso - crónicas. Não têm uma cura, e por isso este tipo de doenças estão contigo toda a vida, até que a norte vos separe. A medicação pode ajudar a controlar os sintomas, as crises ou talvez a progressão da doença, mas só porque estás a tomar medicamentos não significa que agora você está "muito melhor". Significa que está sob controlo.

 

  1. Mito: Medicamentos são "venenos" e a Big Pharma só piora a situação.

Realidade: Algumas pessoas acham a indústria farmacêutica é “suspeita” e não acreditam que os medicamentos fabricados pelas empresas farmacêuticas sejam realmente úteis. Certo é que os medicamentos realmente ajudam muitas pessoas com doenças crónicas, com resultados que são óbvios tendo em conta as monitorizações feitas através de exames de sangue, colonocscopias, ressonância magnética ou até mesmo como o paciente se sente. Quer acreditem ou não na Big Pharma, isso não muda o facto de que os medicamentos podem proporcionar às pessoas com doenças crónicas uma qualidade de vida melhor e que, embora as terapias não convencionais possam ajudar algumas pessoas (sobretudo graças ao efeito placebo), não é apropriado sugerir a todos com problemas de saúde que é "melhor" tratar-se com tratamentos holísticos.

 

  1. Mito: Se tomas medicação há algum tempo, é óbvio que deves estar viciado.

Realidade: Embora alguns medicamentos tenham potencial de dependência, a grande maioria das pessoas que tomam medicamentos regularmente fá-lo porque seu corpo assim o exige para que ele sobreviva - não porque tenha um vício psicológico. O uso diário não é igual ao vício.

 

  1. Mito: Se tens tendo um dia ruim de saúde, é porque não deves estar a tomar os teus remédios.

Realidade: doenças crónicas podem ser imprevisíveis, e pode-se ter uma crise mesmo se estiver a tomar a medicação. O facto de teres um dia difícil não deve ser tomado como uma indicação de que paraste de tomar a medicação.

 

  1. Mito: Se simplesmente parares de tomar tantos remédios, a tua doença desapareceria.

Realidade: Na mesma linha do mito de que todas as drogas são “venenosas”, algumas pessoas acham que são as próprias drogas que estão a fazer com que estejamos doentes, e que nos iremos sentir bem melhor quando nosso sistema estiver “limpo”. Mas a verdade é literalmente o oposto. Se uma pessoa com doença crónica pára de tomar os seus medicamentos (contra as ordens do médico), essa pesoa poderá acabar com a sua saúde muito pior do que com os medicamentos.

 

  1. Mito: Os efeitos colaterais são raros.

Realidade: Pessoas que nunca tiveram que tomar medicação para uma condição crónica podem não perceber que esses medicamentos fazem mais do que (espero) reduzir os sintomas da sua doença. Não é incomum que os medicamentos causem efeitos sedundários que às vezes são tão difíceis de lidar quanto a própria doença. Guerreiros crónicos devem, junto com o seu médico, pesar os prós e contras de qualquer medicação antes de tomá-la.

 

  1. Mito: Se tomares o mesmo medicamento por algum tempo e não estiver a funcionar, então você deve tentar algo novo.

Realidade: Medicamentos para doenças crónicas não são como aspirinas que se toma até que a dor de cabeça ou dor de estômago desapareça. Em alguns casos, pode ser considerado um sinal de sucesso se ainda estiver a tomar um medicamento específico por um longo período, porque isso significa que está funcionando bem para você. De qualquer forma, como as doenças crónicas não "desaparecem", as pessoas devem esperar que se tome certos medicamentos por um longo período e isso não significa necessariamente que eles não estejam a resultar.

 

  1. Mito: Perder/ Ganhar peso significa que pode parar de tomar tantos remédios.

Realidade: as pessoas geralmente confundem peso e saúde, assumindo que todos os desafios de saúde podem ser atribuídos ao peso de alguém. No entanto, quando se trata de doenças crónicas, muitas vezes é o contrário. Doenças crónicas podem causar perda ou ganho de peso e / ou dificultar o exercício. Então perder/ ganhar peso não significa que a doença melhorará repentinamente e se pode parar de tomar os medicamentos.

 

  1. Mito: Todos os medicamentos “funcionam” e fazem o que pretendem fazer.

Realidade: mesmo que as pessoas entendam que os medicamentos não curam necessariamente a sua doença, muitas ainda acreditam que a medicação fará algo para os ajudr. Mas há um enorme processo de tentativa e erro com medicamentos e doenças crónicas. Alguns medicamentos simplesmente não funcionam para o teu corpo e podem até fazer com que te se sintas pior, mesmo que ele tenha sido projectado para lidar com um determinado sintoma que estás a sentir.

 

  1. Mito: Você pode decidir se quer tomar um determinado medicamento.

Realidade: dependendo da gravidade da sua doença e do número de outras opções de tratamento existentes, pode não estar em condições de dizer que não pretende tomar uma medicação específica. Este medicamento pode ser a única ou melhor opção para tratar a tua doença. Não é justo sugerir que alguém possa simplesmente "escolher" um tratamento diferente.

 

  1. Mito: A medicação para a dor elimina toda a tua dor.

Realidade: Se tens uma condição de dor crónica, a medicação para a dor (mesmo os opióides) geralmente não tira a dor completamente. Pode ser que diminua, por exemplo, de 10 a 6. Muitas pessoas não familiarizadas com a dor crónica ficariam surpresas ao saber que as pessoas que tomam opioides para dor crónica ainda lidam com a dor todos os dias.

 

  1. Mito: Os medicamentos são fáceis de tomar e acessíveis ou comparticipados.

Realidade: Tomar medicamentos é muitas vezes mais do que apenas engolir com um gole de água. Alguns medicamentos precisam ser tomados num horário específico, às vezes com ou sem comida, e precisam ser levados contigo num organizador de comprimidos portátil em todos os momentos. Medicamentos nem sempre são totalmente comparticipados e podem por vezes requerr condições especiais de armazenamento.

 

  1. Mito: A medicação é inerentemente “ruim” e tu devias ter vergonha de precisar dela.

Realidade: precisar tomar medicação não é nada para se envergonhar. Tu estás simplesmente a usar uma ferramenta para gerir  a tua saúde da melhor maneira possível.  Não ficas "fraco" se a medicaçao te ajudar a superar o dia e a manter seus sintomas sob controlo. Se outra pessoa com tua condição não precisar de medicação, isso não a torna "mais forte" do que você. São apenas quadros clínicos diferentes.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.